1. I took the subway down ot 125th Street and, on ny walk up to my neighborhood, feeling much less frayed than i usually did on Monday nights, I took a detour and walked for a while in Harlem. I saw the brisk trade of sidewalk salesman: the Senegalese cloth merchants, the young men selling bootleg DVDs, the Nation of Islam stalls. There were self-published books, dashikis, posters on black liberation, bundles of incense, vials of perfume and essential oil, djembe drums, and little tourist tchotchkes from africa. One table displayed enlarged photographs of early-twentieth-century lynchings of African:americans. Around the corner of St. Nicholas Avenue, the drivers of balck livery cabs gathered, smoking cigarettes and talking, awaiting the fares they could pick up off the clock. -

    (Source: descerco)

     

  2. E a rosa que te dei

    Não foi criada num jardim

    Por isso tinha mais significado para mim

    A rosa que te dei

     

  3. No princípio dos anos 90 surgiam alguns, críticos de um qualquer acolhimento e das interpretações da “integração”. Sem a motivação objectiva de pais e avós, cresceram a questionar identidades, tornaram a Cidade mais rica.

    Foi desde a Pedreira dos Húngaros (Miraflôr,) que nesses anos surgiram os TWA  a cantar em crioulo (também BFH das Fontaínhas) quando tudo à volta, nesse movimento de rap, sonhava-se em português: língua e sociedade,  independentemente do quotidiano cultural e expressão linguística.

    Não se põe em causa a ambição de cantar em  português mas os TWA demonstraram que o crioulo é uma realidade de Lisboa, e abriram espaço para a expressão de todo um movimento que vai muito além de uma descendência caboverdiana. Crioulo é a língua da street.

    Fotos Pedreira dos Húngaros (cores): AQUI.

    Fotos Pedreira dos Húngaros (preto e branco): AQUI.

    Lorg G:

    A mi ta lembra quele tempo qui nôs ta da pa homi / Ma no fundo, no fundo nos era putos homi / Ma como vida di gueto é triste, sim / Às vezes ku pai ou só ku mãe, desistir nunca, não / Desd´li, desde sempre qui en vive sem ês / Sem pai, sem mãe, na street di Húngaros Ghetto Stress / É uma vida triste, é um mundo frio, sempre en mesteba bô  / Goci qui já en concheu, já en ojá manca sta só / Cá bô deixam, en ca ta deixau, ca bô mori si / Gangsta rap já leba muito di queles real MC´s / G discansa em paz ou então paz pa bô / Graças a Jesus Christ nem mi, nem bô sta só /Nem nôs, nem nhôs, nem ninguém sabe si hora escojé / Morte é um cusa qui ta bem, nôs sabe bem nha mode / É si pa mi, é si pa bô, ca mesti bô estranha / Rest in peace pa tudo nhôs qui amanhã tam ser alma / E Deus ta crê qui um dia nôs ta encontra lá no céu / Rapazes, rapazes, nhôs é di meu / En sufreu, en sufri cheu perda di nhôs tudo / En ca ta entendi moki nhôs deixa nos só nes mundo / Ta chora lágrima, homi ta chora quele é tristi di oja / Momentos di queli é pa tudo crentis ora / A mi en ta anda na rua ku gana chora / Pa nhas niggaz na céu a mi ta ora / Reza pa mi ké pa en medjora / Nigga, morte para mi é qualquer hora /Bitch, nunca bô shinti ma nôs existi / É ca di goci qui TWA ta transmiti / Momentos alegris, momentos tristis / Rapazes já bai mas vida ta sigui / Continua missón, som é ca so pa babies / Realidade é duro mas nôs é crazies / Ta fuma drugs qué pa môs esqueci problemas / Teenagers Hungaros Guetto G, tudo tem quebras / Traumas di infância, ca bô tem medo Bô segredo, nos ta leba-lo pa cemitério / És electrificam, ma nunca en chiba / Matriz di Hungaros Ghetto G ku nos ta fica / Algumas lembrança di nha terra natal si Já bô mori ma ta ser sempre imortal G /Guerra entre mi ku babilones / És na guns, a mi na microfones / A mi en ca ta canta pa nhôs dança / A mi en ta canta lembrando ma nôs é gangasta / Fladu ma gangsters ca tem coraçon / Rest in peace pa nhas niggaz dentro di caixon / Fladu ma click nicloves ca tem coraçon / Rest in peace pa nhas niggaz dentro di caxon

    1ºG:

    Si bu nasceba la bu era si ma mi / Si bu nasceba la bu ta pensaba si ma mi / Si bu nasceba la nigga bu era Real / Goci en kasta la ma foi la kim ganha skills / Undi kim kai un di en labanta en prendi tem esperansa / Luta pa kel kin kre en enshinado des di infancia / Gansta en ka ´s vida ki fazem así / Bu tem ki subrivivi dentro di hungaros ghetto g. / Escola e futuro ma ka ta dou na presente / Bao meste ganha poka sigui vida dilinkuente / E ka por mal nada kontra Portugal / Ma sima Miraflôr ka tem ninhum local / E um bocado di nos terra kes planta li / Sementi kiria nasci hungaros ghetto g. / Bom dia bo tardi dento bairro mo kusta / Fora bairro tenta abusa nigga ka ta da / Nu é unido ou no era no era / Enta sin ta ma no teni nos proprio atomosphera / Keli é ka futuro e presente no era / Ressitência nuz é ku as ta spera / Vida ka ta para si ta paraba en tu po ba traz / En ta paraba na noventa kel tempo era demais / En ka ta eskesi nes ki mori en paz deshos deskansa / Na kiel tempo no era puto ku mentalidadi gangsta

    Lorg G:

    2000 dja bem Guetto as ta kai / Camara fidja´s da puta pés ba moka ses mae / Ku policia ku tudo és krê kaba ku kem ki e nós / Inda bem ki nu sta pa li e pa li no ta sendi um fôs / Ki pa alguns sai di sukuro sima bô sta na marti / Sem regresso a bu base sem regresso a bu arti / Ma pa li no ta fika tenta remodifika / Na meio de Ruina Lord G. Ta dau kel dika / Na meio de Ruina Lord G. Ta dau kel rima / Na meio da Ruina T.W.A. nunka desafina / Resiste in the arca, yo! Resistência / Nunka, nunka, nunka ouve ninhum deferença / TWA em paz paeace pa tudo és from the west From the sky from the Hungaros Ghetto stress / Nos address dja alastra Ghetto sa ta kaba / É um sima um fim di mundo ki komeca e ki kaba / Ma disisti nau nau inda 2000 sta / La Bu podi bem visitano o ki bu kree o ki da / Pomodi Hungaros tchomado Miraflor / Miraflor, Miraflor, Miraflor é Hard Core / E a si nu ta kontinua em qualquer parti de sea / Ta manda fidja da puta ta fuma ochi todo dia / Porque sempri assi nu foi e assi no ta kontinua / Na Ghetto G. Ghetto Stress Ghetto club to the rua

    Em português:

    Read More

     
  4.  
  5.  
  6.  

  7. Alguns aspectos da vida urbana na Ilha do Sal. Santa Maria é a sua principal Vila piscatória, enquanto Espargos é o principal centro económico da ilha com um mercado importante.

    Ambas com menos de dez mil habitantes, são os locais de escape aos resorts da Ilha que, pela presença turística, tem um custo de vida muito superior à média nacional.

    Uma reportagem fotográfica de Sérgio Oliveira, AQUI:

    http://photo.stress.fm/tagged/em%20cabo%20verde

     

  8. Desenvolvimentos do URB, itinerâncias da construção colectiva de uma mini-série de ficção para TV: AQUI (Pendão, Bairro da Cruz Vermelha, Adroana, Talaíde/Navegadores, Moinho das Rolas)

     

  9. Loja de ferro velho do Sr. Mota na Rua de Campolide nº10. Aquisição e transformação de materiais. 

     

  10. ”- Bem-vindo à cidade neoliberal!” comentava o lugar do morto ao bater com a porta enquanto o gesto ainda ecoava pela localidade. Era o seu primeiro olhar à Quinta da Marinha.

    Não era uma afirmação ingénua. Sabe-a toda neoliberal, mas o instinto do olhar diz que sítios como aquele reforçam a sua existência.

    Autoking, drive in e farmadrive cenários para drive by. Muros, por vezes como arbustos.  Nada é acessível à rua e em tudo entra-se para dentro (passe a expressão): restauração, farmácia, mercearia do cão. A rua é uma estrada onde não cabem passeios, um asfalto bem educado onde transitam carros desportivos baixos e SUV´s altos, sorriem para os jogs enquanto estes ultrapassam indiferenciadamente os únicos transeuntes: mulheres negras, sozinhas numa paisagem monótona, serviçais dos baixos e dos ALTOS.

    Eskravatura ka ta caba (…) muda só di nomi

    Papa Reformas aqui, é sinónimo de adolescência, versão segura e endinheirada do que antes era uma BW´s ou uma DT. Transportes perdem-se no tempo, nas horas, no preço, na distância e no espaço; servem as sozinhas. E de vez em quando o SEF também visita a estância, pára a Scotturb e revê documentos. Mas cuidado que as coquetes podem mexer-se contra o Estado por lhes atrasar a lide.

    Doutos paternais, co-testemunhos do PREC, contaram-me da tomada das casas pelos pescadores da Areia. A primeira surpresa: frigoríficos nos quartos, a segunda? O que guardavam. Não víveres mas casacos de pele. À época, no autismo da regalia, seus proprietários apenas temiam as traças. As traças voltaram, são esses, os medos contemporâneos, mais nada.


    #narrativadacidade

     

  11. "Demolindo sórdidos casarões de que já ninguém se lembra, apesar da nossa racial tendência conservadora e saudosista".

    Atenção, não há lugar neste post a qualquer exercício nostálgico por uma Lisboa dos anos 40, nem o apanágio por qualquer tipo de vida que porventura o documentário promove.

    António Lopes Ribeiro concebe e narra “Lisboa de Hoje e de Amanhã” com o condão pleno do Estado Novo, propagandeando o devir humilde de uma forma de vida da família portuguesa: subserviente, cuidadosa apesar das dificuldades, distinta do mundo de uma certa e natural maneira de ser português em cidade.

    Por todos esses predicados, o documentário é um razoável arquivo histórico. Para além disso, sasseia os curiosos na historia de Lisboa ao mostrar visualmente muitos dos acontecimentos que ainda hoje urgem como discussão sobre essa cidade, políticas e opções.

    A criação dos bairros sociais do Caramão da Ajuda, Liberdade/Serafina; a higienização da Mouraria através de demolições e a nova Praça do Martim Moniz; os inícios do Bairro de Alvalade, a Praça João do Rio e o Areeiro como raiz de uma nova monumentalidade para uma cidade até então arquitectonicamente pobre; o Aeroporto. É só escolher.

    Um documentário de atributos e pleonasmos onde por nem uma vez aparece a miséria que assolava a Lisboa dos anos 40. 

     

  12. Realizada anualmente em Cannes, a maior feira do imobiliário do mundo - MIPIM - onde banqueiros, especuladores e municípios negociam grandes parcelas de terreno, cidades inteiras, de forma pouco democrática e ultrapassando os anseios de quem nelas mora; chega pela primeira vez a Londres. 

    A cidade prepara-se para a receber com manifestações e conversas, uma iniciativa da Radical Housing Network.

     

  13. O livro procura várias visões sobre a metrópole contemporânea. São dez que pretendem densidade critica, visões não homogenizadas ou totalitárias que permitem pensar o espaço urbano e suas possiveis construções. Podiam ser outras dez, mas são as de: Francis Alys, Wong Kar-Wai, Gilbert & George, Rogelio López Cuenca, Thom Anderson y Ed. Ruscha, Michael Haneke, Gregory Crewdson, Gus Van Sant, Andreas Gursky e Jil Zhang-Ke.

    Download e consulta: AQUI.

     

  14. Portugal telecom map

    Analysis of telecom data globally (shown above for Portugal) shows the extent to which communications networks (at left) may correspond to existing political or geographic regions (represented at right).

    Image: MIT Senseable City Lab

    (Source: mapsontheweb)

     

  15. "Tourist, shame on you": Disaster tourism in the aftermath of Hurricane Katrina.

    By Lisa Wade PhD

    When tourists returned to New Orleans after Hurricane Katrina, there was a new site to see: disaster.  Suddenly — in addition to going on a Ghost Tour, visiting the Backstreet Cultural Museum, and lunching at Dooky Chase’s — one could see the devastation heaped upon the Lower Ninth Ward.  Buses full of strangers with cameras were rumbling through the neighborhood as it tried to get back on its feet.

    A sociology major at  Michigan State University, Kiara C., sent along a photograph of a homemade sign propped up in the Lower Ninth, shaming visitors for what sociologists call “disaster tourism.”

    Disaster tourism is criticized for objectifying the suffering of others.  Imagine having lost loved ones and seen your house nearly destroyed. After a year out of town, you’re in your nastiest clothes, mucking sludge out of your house, fearful that the money will run out before you can get the house — the house your grandmother bought and passed down to you through your mother — put back together.

    Imagine that — as you push a wheelbarrow out into the sunlight, blink as you adjust to the brightness, and push your hair off your forehead, leaving a smudge of toxic mud — a bus full of cameras flash at you, taking photographs of your trauma, effort, and fear.  And then they take that photo back to their cozy, dry home and show it to their friends, who ooh and aah about how cool it was that they got to see the aftermath of the flood.

    The person who made this sign… this is what they may have been feeling.

    Photo credit: Daniel Terdiman/CNET News.com; found here.

    Lisa Wade is a professor of sociology at Occidental College and the co-author of Gender: Ideas, Interactions, Institutions. You can follow her on Twitter and Facebook.

    (Source: socimages)